FUNCIONÁRIOS DA CÂMARA DE ARAPIRACA LEVAM CALOTE DO FGTS

Advogado da prefeitura esclarece a prescrição do processo
(Foto: Claudio Roberto)

A prefeitura decretou hoje (06/11) o fim do imbroglio e calote de cerca de cinco milhões de reais dos servidores do Legislativo pertencentes do Fundo de Garantia por tempo de Serviço - FGTS. A decisão foi comunicada na manhã desta terça-feira em reunião do representante do município, advogado Luiz Roberto, com a presidente da casa, professora Graça Lisboa (PDT) e os funcionários daquele poder. O calote revoltou os trabalhadores da Câmara que esperavam receber a verba ainda este ano pela 8ª Vara Federal de Arapiraca. Contrariando as pretensões da categoria, o advogado revelou que a chefia do Executivo deixa de autorizar a liberação dos recursos porque o processo foi prescrito. Conforme Luiz Roberto, a Câmara pode requerer de novo a verba do FGTS porque a justiça está aberta a rever o processo em nova data.

A vereadora Graça Lisboa culpou a falta de advogados para defender a classe, porque o funcionalismo foi abandonado sem defesa tanto na Câmara quanto na prefeitura, motivo que levou a municipalidade a cancelar o processo por prescrição de tempo.

O processo da verba do FGTS do funcionalismo da Câmara rolava há quase cinco anos e os que trabalhavam com carteira assinada são diretamente prejudicados por causa da confusão que girava em torno do assunto, uma vez que não se sabia quem tinha direito ou não assim, como outros pormenores que complicavam o processo.
O advogado disse que a culpa é da ex-prefeita Célia Rocha que fez um acordo com a vereadora Gilvânia Barros (MDB) e seu então colega Márcio Marques, que fizeram um acordo com a Caixa e não cumpriram, o que levou o banco a aplicar pesadas multas à Câmara com prejuízos definitivos para o funcionalismo da Câmara Municipal de Arapiraca.

MUDAR A FALSA DEMOCRACIA E POR FIM AOS DITADORES É UM DEVER PRIORITÁRIO

Imagem relacionada

Que tipo de democracia é essa na qual estamos vivendo? É ou não democracia? Os seguidores do regime  da antiga União Soviética na América Latina (Cuba, Nicarágua, El Salvador e outros) e  na Europa se apoderaram do voto popular para chamar esse blefe de democracia. Os membros do Partido dos Trabalhadores, tanto quanto Maduro e Chaves,  na Venezuela, assim como outros líderes vizinhos, tomaram o poder à custa de golpes e falsas promessas, corrupção e violência, tudo em nome de suposta democracia. para assumir o poder. Há de se chegar a um denominador comum para por fim a esses ditadores e assim, com uma reforma moralizadora, profunda e real, levar as nações ao verdadeiro regime democrático que conceda aos povos seus direitos de expressão e religião e lhes garanta uma vida honesta com posses de seus bens materiais, que na verdade são confiscados pelos regimes totalitários.
Democracia é um regime político em que todos os cidadãos elegíveis participam igualmente - diretamente ou através de representante eleitoral - na proposta, do desenvolvimento e na criação de leis para o poder da governação através do sufrágio universal.
A democracia tem origem do grego DEMOKRATIA que é composta por Demos (povo) e Kratos (poder), conforme os estudiosos, como sabemos. Nesse regime político, o poder é exercido pelo povo através do voto (sufrágio universal). E um regime de governo em que todas as importantes discussões políticas estão com o povo que elege representantes pelo voto.Onde é que os regimes de ditadura abrem espaço para o povo em todos os momentos da democracia. Cuba e outros países da extrema esquerda, possuem assembleias compostas por pessoas simpáticas ao regime, que elegem seus governantes e membros da própria assembleia,  em cuja eleição o voto é dado apenas com um balançar de cabeça para significar sim.
Pode existir também regime presidencialista, onde o presidente é o maior representante do povo ou o regime parlamentarista, onde existe o presidente eleito pelo povo e o primeiro ministro que toma as principais decisões políticas. A democracia pode existir também no sistema monárquico e no republicano onde o primeiro ministro é quem governa.
Uma das principais funções da democracia é a proteção dos direitos humanos fundamentais, liberdade de expressão, de religião, proteção legal e oportunidade de participação na vida política, econômica e cultural da sociedade. Os cidadãos têm os direitos expressos e os deveres de participar do sistema político que vai proteger seus direitos e sua liberdade. Nos regimes de ditadura esses itens não existem nem em sonho.
Demagogia - A falsa democracia brasileira é mais vista como demagogia do que com o regime que vemos e ouvimos todos os dias nos meios de comunicação e discursos partidários.
Demagogia tem origem grega que significa: arte ou poder de conduzir o povo. É uma forma de atuação política na qual existe um interesse claro em  manipular a massa popular, incluída nas promessas que muito provavelmente nunca serão realizadas, pois visam apenas a conquista do poder político.

SONHANDO O FUTURO - Mário de Morais

Entre as reportagens investigativas uma que me impressionou bastante foi escrita pelo conhecido Mário de Morais, jornalista famoso que passou pelos principais órgãos de imprensa do Rio de Janeiro, com matérias  atrativas, bem produzidas, normalmente abordando temas inéditos do agrado popular, na sua coluna publicada em vários jornais, com o título, "A Reportagem Que  Não Foi Escrita". Sonhando O Futuro, é a reportagem que apresento para vocês, que à época (1977) bateu o recorde de leitores.
"Em de 1963, Gwen Bridgland sonhou que um homem famoso seria assassinado, enquanto estava num carro acompanhando um cortejo de automóveis. Ela contou que não chegou a reconhecer a pessoa atingida, mas, três dias depois,  John Kennedy morria assassinado em Dallas. De outra feita, Gwen sonhou com um forte tremor de terra, no norte da Inglaterra, e ele realmente ocorreu um mês depois.Como seus sonhos são sempre exatos, Gwen agora os está enviando para John Baloff, professor de psicologia da Universidade de Edimburgo, que ela quase sempre acerta na mosca.
Sua maior experiência, entretanto, aconteceu há quatro anos. Sonhou que assassinavam uma mulher e "viu" o criminoso suicidar-se,atirando-se sobre as rodas de um trem. Senhora Bridgland enviou seu sonho para o professor Baloff, no dia 3 de setembro de 1972. Duas semanas depois, tudo aconteceu como ela "vira". No dia 16 de setembro, Nicola Brazier, de 20 anos, foi assaltada, violentada e morta a tiros. Três dias depois, o homem de quem a polícia suspeitava, matou-se atirando-se sobre as rodas de um trem. O sonho de Gwen foi exatamente igual, sem tirar nem por. A descrição do assassino, então, era impressionante. O professor Baloff ficou bastante surpreso, quando a confrontou com a do criminoso: tipo físico, feições, roupas, tudo idêntico.

          
PREMONIÇÃO?

Às vezes a premonição dá-se de "olhos abertos". Foi o que aconteceu quando de um  desastre aéreo, há não muito tempo, ocorrido nas ilhas Canárias, que matou 155 pessoas. Um casal alemão se salvou graças a uma "visão" tida pela mulher, que obrigou o marido a saltar com ela, depois de já estarem sentados com os cintos de segurança amarrados e o avião pronto para decolar. Os Artmelt, de Leithen, na Baviera, desceram do aparelho porque a senhora afirmava que o avião ia cair. O marido, ante a sua insistência, embora bastante envergonhado, atendeu ao seu pedido. E assim foram salvos, em cima da hora.
             

IMPRENSA, O 3º PODER


Imagem relacionada"A imprensa é terceiro poder da nação. Ela é os braços,os olhos e ouvidos do país. Sem imprensa a nação não sobrevive. Dela dependem a democracia dos governos, a sobrevivência nacional e a liberdade do povo. A imprensa bota e tira governos, denuncia a corrupção e modifica os sistemas de administração, política, economia. É inimiga número um da ditadura". É isso que o jornalista Natalício Norberto diz na abertura do seu livro," "Manual Prático do Jornalista" e foi com essas aulas ministradas em rítmo de absoluto profissionalismo didático que comecei a dar os primeiros passos à procura de emoções na arte de comunicar. A tese foi bem vinda pela crítica e a imprensa, porque estava de acordo com a época, em que o jornalismo funciova mais com  base cultural, mesclada de certo amadorismo, que como o profissionalismo  dos dias atuais. Foi exatamente nessa tempestade que decidi enfrentar as feras, fundando o primeiro jornal de Arapiraca e região, O Pioneiro, ao lado de amigos como Cícero Cruz (atualmente aposentado do BNDES  no Rio de Janeiro), Benedito Henrique, (aposentado do Banco do Nordeste), Ary de Oliveira (oficial da Marinha, hoje), Zezito Guedes, escultor, historiador, renomado homem de cultura e muitos outros.
Não durou muito tempo e a teoria de Natalício Norberto foi tragada pela revolução de 1964. Como acontece em  todo levante militar, a liberdade da imprensa é a primeira a ser amordaçada, com prisão dos jornalistas e fechamento dos jornais. O nosso O Pioneiro foi outra vítima da revolução. Fechou as portas em 1966, por ordem do general João Batista Tubino, interventor de Alagoas à época, que proibiu a gráfica do Diário Oficial do estado trabalhar com atividades privadas.(O Diário Oficial imprimia o nosso jornal por determinação do governo anterior, outro militar eleito com o voto popular, major do Exército Luiz Cavalcante, antes da revolução.
A força de terceiro poder, como dizia o educador, não foi levada em conta pelos militares, juizes e promotores, que ameaçavam os jornalistas de prisão a todo momento se as notícias não acordassem  com às fontes informativas. Conversei com o juiz Nelson Correia (neto do fundador de Arapiraca, Manoel André Correia) sobre inúmeros assuntos, inclusive quanto a tese de Natalicio Norberto. Ele discordou plenamente e pouco tempo depois foi transferido para Maceió, por decisão do Tribunal de Justiça do estado. Em outra época, mantive um encontro com a promotora de justiça, Sílvia Barbosa, minha professora de Direito Usual, no segundo ano de História e Geografia da Fundação de  Ensino Superior do Agreste de Alagoas, hoje Universidade Estadual de Alagoas - UNEAL. Ela expressou a mesma opinião do juiz.
Apesar do mundo que desabou sobre a  imprensa, causando enormes estragos à categoria, com mortes de jornalistas e fechamento de jornais, eu continuei a minha tragetória como correspondente do Diário de Pernambuco e Jornal do Commercio (Recife) nos anos seguintes, culminando com a minha contratação pelo jornal Gazeta de Alagoas para cumprir o período de quinze anos de serviço na comunicação social.

                    
PRISÕES E JORNAIS FECHADOS

Durante a revolução, os militares não consideraram o valor da imprensa e a liberdade de informações. Pouco tempo após a deflagração do movimento militar, o mundo caiu sobre os jornais, rádios e órgãos de informações, com prisões de dezenas de profissionais.
O jornalista Samuel Wainer, dono do popular jornal Última Hora, entrou em uma crise profunda e fechou a empresa nos primeiros anos do período militar. A Tribuna da Imprensa, fundada em 1949 por Carlos Werneck Lacerda, que aplaudiu a revolução, foi perseguido. Hélio Fernandes, outro profissional querido no Rio, havia adquirido a Tribuna da Imprensa em 1962, teve a sua candidatura a deputado federal pelo MDB impugnada e foi proibido de assinar qualquer matéria em seu jornal. Em 1967, ele passou a escrever
com o pseudônimo de João da Silva. A tribuna tinha  três grandes aspirações nacionais: desenvolvimento, nacionalização e democracia. Era considerado um jornal democrático. Mário Rodrigues Filho - Mário Filho, conhecido jornalista esportivo, dono do Jornal dos Sports, teve uma crise de saúde em 1966 e morreu,  deixando o jornal com o irmão herdeiro, Mário Júlio. O Jornal dos Sports era uma referência nacional nas artes e cultura e tinha como jornalistas e artistas Henfil, Zuenir Ventura, Torquato Neto e Ana Arruda Callado. O jornal fechou em 2008. Outro jornal que viveu um drama de profunda crueldade foi o Correio da Manhã, fundado em 1901, fechou endividado em 1975 e teve seus bens leiloados, inclusive o prédio e todos os equipamentos da empresa. O proprietário do Correio,  Paulo Bittencourt, pregava liberdade e luta contra a corrupção. Foi preso com a diretora Niomar Moniz Sodré Bittencourt e levados para um cárcere em Bangu. O redator-chefe, jornalista Osvaldo Pereira, foi outro a ser preso pelos militares que invadiram o Correio e o levaram  para Bangu,em 1969.
A imprensa nunca mais será como antes. Os militares acabaram com a liberdade de imprensa, censuraram as informações e fundaram as faculdades de comunicação, ao modelo americano, impedindo de trabalhar quem não tivesse diploma, mas abriu uma brecha de pouco prazo permitindo que os não diplomados em comunicação que tivessem mais de dez anos numa empresa fossem reconhecidos.
















ORAÇÃO PELA PAZ

Imagem relacionada

Ó Senhor, Deus da vida, que cuidas de toda criação. dá-nos a paz! Que a nossa segurança não venha das armas, mas do respeito. Que a nossa força não seja a violência, mas o amor. Que a nossa riqueza não seja o dinheiro,  mas a partilha. Que o nosso caminho não seja a ambição, mas a justiça. Que a nossa vitória não seja a vingança, mas o perdão. Desarmados e confiantes, queremos defender a dignidade de toda criação, partilhando, hoje e sempre, o pão da solidariedade e da paz. Por Jesus Cristo teu filho divino, nosso irmão, que, feito vítima da nossa violência, ainda do alto da cruz, deu a todos o teu perdão.

                             
CF Ecumênica

NOSSA IRMÃ ÁRVORE

Imagem relacionada

21 de setembro é, no Brasil, o Dia da Árvore. Às vésperas da primavera a data relembra que a saúde do nosso planeta depende das florestas. E alerta para uma tragédia em curso: a cada 10 segundos mil árvores são derrubadas na Terra. O Papa Francisco, na sua encíclica Laudato Si, lembrou que as árvores são nossas irmãs com raízes. Em encontro com movimentos populares, na Bolívia, anunciou, profético, que "dos brotos de ternura dos que lutam por subsistir na escuridão da exclusão crescerão grandes árvores, surgirão florestas para oxigenar este mundo". Por sinal, quantas árvores você já plantou? Rubem Alves (1933/2014), poeta e educador, gostava de perguntar de quantas cuidamos, mesmo sem saber se aproveitaremos seus frutos e sua sombra...

Chico Alencar
Cântico das Criaturas, Ecologia e Juventude do Mundo. 
Ed. Vozes
         
                                               
PROVÉRBIO CATALÃO

Provérbio catalão: "Coração limpo, cabeça alta". São catalães os habitantes da Catalunha, na Espanha. Os quase oito milhões de catalães falam uma língua derivada do latim popular, como espanhol e italiano. Sua maior cidade é Barcelona. O provérbio se assemelha a este outro: Quem não deve não teme Ou ainda: O medo é a sombra da má consciência. Ou ainda este outro provérbio português, em forma negativa: Quem tem culpa no cartório não pode dormir em paz. O provérbio nos ensina a não carregar pela vida maldades e a culpa de males feitos. Já o poeta latino Horácio, escrevera num de seus poemas: o homem de vida íntegra não precisa de arco e flecha envenenadas para se defender aonde quer que viaje.

Frei Clarêncio Neotti, OFM

                                           
AQUECIMENTO GLOBAL

Para fazer um planeta melhor, reduza o consumo...
Água: Ela cai do céu, mas é um recurso esgotável e raro em  muitos lugares do mundo. Se em apenas cinco minutos você escovar os dentes com a torneira escancarada, 12 litros de água potável serão desperdiçados.
Energia elétrica: O consumo cada vez maior reque a construção de mais usinas hidrelétricas e mais florestas vão desaparecer para dar lugar a elas. Acredite: o simples gesto de desligar as luzes dos ambientes, quando estiverem vazios, pode ajudar a evitar mais hidrelétricas.
Combustíveis: A queima dos fósseis, como o diesel e a gasolina, á a maior responsável pela emissão de gases do aquecimento global. Nas grandes cidades são produzidos 75% de todo o CO2 jogado na atmosfera. Pense nisso, antes de entrar no carro para ir à padaria da esquina.

                        
Planeta Sustentável



“Grupo contra Bolsonaro incomoda por causa de seu potencial”, diz Rosana Pinheiro-Machado

Rosana Pinheiro-Machado.jpg
Para a antropóloga da Universidade Federal de Santa Maria, grupo no Facebook que reunia mais de 1 milhão de mulheres é um fenômeno político extraordinário

Após sofrer ataques neste fim de semana, o grupo “Mulheres Unidas contra Bolsonaro” foi retirado temporariamente do ar pelo Facebook. O grupo ganhou repercussão por reunir em poucos dias mais de 1 milhão de mulheres (além de milhares de outras solicitações aguardando aprovação) se opondo à candidatura do deputado Jair Bolsonaro (PSL) à Presidência.
Administradoras do grupo afirmaram ao site Catraca Livre que o perfil de uma delas na rede social foi invadido na quinta-feira 13 e seus dados pessoais foram expostos. Outra administradora disse ter sido ameaçada via WhatsApp para que encerrasse o “Mulheres Unidas contra Bolsonaro”, recebendo inclusive uma mensagem com seus dados. 
Durante parte do domingo 16, o grupo ficou fora do ar enquanto o Facebook analisava o que havia ocorrido. O grupo foi restaurado e devolvido às administradoras.
“O incômodo é porque sabem da potência, da possibilidade desse grupo. Dois milhões de mulheres organizadas, motivadas e discutindo são capazes de mobilizar suas mães, filhas, amigas. Imagina o impacto disso em um país com a quantidade de eleitores como o Brasil”, afirma a antropóloga Rosana Pinheiro-Machado, professora da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e ex-professora da Universidade de Oxford, no Reino Unido.