O GOLEIRO HEROI


Quando eu vivia no período da minha pré-adolescência  escutei por várias vezes os mais velhos contar uma história sobre a existência de um jogador de futebol que marcou época pela violência de seus chutes.  Apelidado de Zezé. o jovem era atacante e com seus 19 anos raramente perdia um gol quando disparava contra a trave adversária, a menos que a bola fosse para a linha de fundo. Atuando como amador na região, o jovem tinha uma qualidade inigualável devido a força dos pés ao chutar.  Calculava-se que ao  chutar,a bola disparava a uma velocidade igual ou próxima a uma bala de revólver, com cerca de duzentos quilômetros por hora. Era um fenômeno, pois "tinha a força do super homem nos pés", falavam frequentemente os admiradores de Zezé, que o tinham como ídolo. Contava-se que ele podia não ser um grande driblador ao estilo Mané Garrincha, mas a sua qualidade estava na força dos chutes, que impressionava. A fama de Zezé se espalhou de tal forma no interior que nenhum goleiro se arriscava a tentar pegar um pênalti cobrado por ele. Um dia, porém, um irmão do super atleta, que jogava em outra equipe se fez de herói para tentar evitar um gol de Zezé na cobrança de um pênalti. Durante a partida, Zezé avisou ao irmão, conhecido por Israel: "Se houver um pênalti e eu for cobrar você sai da trave. Fique longe porque se for segurar o meu chute com  certeza você morre". O irmão riu e ainda zombou: "Você pode ser tudo para outros. Para mim, não. Eu não saio da trave e ainda vou segurar o seu chute", garantiu. Então aconteceu: no segundo tempo um zagueiro do time de Israel passou a rasteira e derrubou Zezé na pequena área: pênalti. Então Zezé se aproximou do irmão e renovou o apelo para Israel sair do gol. "Nada", disse o goleiro desafiador, ao que Zezé lembrou: "Você não me ouve, a responsabilidade é sua". E bateu. A bola disparou do pé do goleador a velocidade de um tiro de pistola 45. Israel segurou e caiu para dentro do gol, morto! Ao receber o impacto, o arqueiro caiu para dentro da trave e com um  esforço considerado quase impossível, conseguiu manter a bola em cima da linha de gol, com a maior parte do corpo dentro. O chute foi tão forte que a bola quebrou parte da caixa torácica e se alojou perto  do pulmão direito do jogador. O juiz chamou os bandeiras e examinou o local. Viu que a bola não entrou e se encaixou no peito do goleiro e parou na linha do gol. Zezé chegou perto do irmão e disse: "Não te falei pra sair do gol, irmão?" O goleiro, arquejando, só teve tempo de dizer: ”Mas você não fez o gol. Morro, feliz" Aí deu o último suspiro. Esta é a história que eu ouvi e posso contar do goleiro herói.

Nenhum comentário:

Postar um comentário